sábado, 10 de janeiro de 2015

A ENFERMIDADE DE UMA IGREJA


Apocalipse 3.1 (b) ... Conheço as suas obras; você tem fama de estar vivo, mas está morto.

A igreja protestante vive um período de crise de valores como nunca presenciado desde o seu resplandecer, quando rompeu com as crises morais e espirituais do catolicismo romano. A crise existencial na igreja protestante é contagiosa e crescente, é fato ignorado por hipócritas que desfrutam e incentivam essa vergonha, uns fecham os olhos, outros aplaudem, outros desfrutam, outros não conseguem discernir e ainda existem inconformados iguais a mim para falar demais.

Para uma melhor compreensão desse texto é necessário que o leitor tenha em mente os conceitos da igreja como organismo e como organização. Outra observação é ter consciência dos propósitos da existência da igreja.

Se o problema estivesse apenas nas organizações seria menos complicado, a questão é que os organismos estão cedendo aos engodos oferecidos pelas estratégias de crescimentos das organizações. Esse trocadilho quando detalhado revela e entra em detalhes não tão visíveis quando se é apenas plateia.

Somos conscientes das exceções, pois nem todas as organizações merecem descrédito, mas não são poucas as que estão inclusas nesse hall de assassinos da moral e da ética.

Uma igreja que perde o zelo pela moral e pela ética colabora para que a identidade principal da igreja cristã desapareça, o amor está entrando em estado de extinção, pois quando a igreja começa a perder as características principais do cristianismo, sua vida espiritual entra em decadência. Essa igreja deixa de ser divulgadora da dinâmica do Reino de Deus para ser aproveitadora dos benefícios do Reino visando proveito próprio e nunca o alcance da humanidade. Aproveita-se das necessidades, carências e limitações do público.
a)      Necessidade, de bens matérias e provisões básicas;
b)      Carências da Alma, aqui envolve sentimentos e desejos;
c)       Limitações, em questão de conhecimento e estrutura de fé, pois a ausência destes tem levado muitos perecer.

O que fazer então, sinceramente não há muito, apenas interceder pelos remanescentes, pois não acredito em uma solução a curto prazo para a igreja desse século, o evento do arrebatamento é o único escape absoluto para igreja organismo, pois a igreja organização caminha em busca de dias de vergonha e escândalos, muitos dirão que não, e, profetizarão mentiras, mas é uma triste realidade; porém ainda é tempo de chorar, clamar, de se arrepender e interceder. A igreja protestante no Brasil está enferma, isso é fato, mas o ponto que me assusta não é a fraqueza em si das organizações, mas a principal causa.

A principal causa da enfermidade está no status alcançado pela igreja (organização) gerando assim a perda do foco, as conquistas se tornaram embaraços e tropeços. Essa doença tem atacado violentamente a reinos e impérios seja no estado ou na igreja, essa também foi à causa raiz da decadência espiritual da igreja católica e que tem se repetido ano após ano, “observem as recentes palavras do Papa Francisco sobre a situação da igreja católica e o seu apelo ao concerto”, nós protestantes estamos trilhando o mesmo caminho, basta uma olhada rápida para história da igreja na Europa e EUA, hoje vivem de história, se tornaram ricas, porém mornas, perderam o propósito e a razão de sua existência. O maior risco da igreja é quando a mesma despreza os seus valores básicos e não vive mais o seu propósito, e por consequência não sabe lidar com os benefícios alcançados.

Os fatos citados no paragrafo anterior serve de indicador para situarmos o estado da igreja protestante brasileira, estamos perdendo o proposito como igreja, o alvo não é mais acumular tesouros no céu, mas na terra, que entendam a aplicação dessa frase “acumular tesouros no céu”- Mt 6.19-20, o proposito da criação da igreja transcende os limites do dia de pentecostes, as regiões do globo da terra, as paredes de um templo, as liturgias de um culto, o interesse de um grupo, as palavras de um pregador, o louvor de um cantor, e um tempo pré-estabelecido,   o proposito da igreja caminha para eternidade, atravessará os portões celestiais e chegará a presença de Jesus Cristo para um grande casamento.

Para entendermos o proposito da igreja necessitamos compreender o que é o Evangelho de Cristo, de maneira resumida é a manifestação do Poder, Bondade, Amor, Justiça, Perdão, e Misericórdia de Deus para com a humanidade e a criação (não entrarei nesse detalhe), e, isso propagado de forma dinâmica pela igreja; quando cito dinâmica falo de prática, de vida, de existência, de experiência, de compartilhamento, mutualidade. O evangelho foi manifesto com o proposito de resgatar, salvar, amar, cuidar, reestruturar, reconstruir, perdoar, prover, ou seja, servir.  A posição (status) atual da igreja não lhe permite servir, mas de exigir serviço, a igreja no Brasil tem se tornado uma agência de exploração e manipulação.

Como curar essa ferida que cresce como um câncer em estado terminal vejam as denuncias dos sintomas: vaidade, arrogância, presunção, hipocrisia, manipulação, exploração, riqueza material excessiva, assassinatos de sentimentos, adultério espiritual e muitos outros. Tudo causado pelo status alcançado, temos prata e ouro menos à autoridade para mandar o coxo levantar em Nome de Jesus de Nazaré. Porque isso acontece? Deixamos de ser igreja e passamos a ser status, deixamos de amar, perdoar, socorrer os necessitados, interceder, buscar os perdidos, usar de misericórdia, na realidade deixamos de servir, não temos saúde para anunciar as Boas Novas do Reino de maneira Prática. 

Retornemos ao evangelho puro e simples, pois Jesus é o Senhor que nos sara. Êxodo 15.26.



Por: Adaias Marcos Ramos Da Silva.

Um comentário:

  1. Excelente artigo! De fato, a igreja protestante tem rumado à decadência. Mas, com graça e misericórdia divina, haveremos de nos reerguer, como já aconteceu em 1517.

    ResponderExcluir